Governador reúne com diretores de Casa de Cultura e estabelece meta para os próximos anos



Para realizar um balanço da atuação e traçar estratégias para otimizar ainda mais os espaços culturais em todo o Maranhão, o governador Flávio Dino reuniu, na tarde de quinta-feira (19), com os gestores das várias Casas de Cultura do estado. Ao lado do secretário de Estado de Cultura e Turismo, Diego Galdino, o governador ouviu as sugestões de cada um dos diretores e, de forma coletiva, foi iniciado um planejamento de metas e ações para aproximar ainda mais a população dos movimentos, equipamentos e produtos culturais.

Para o governador é importante impulsionar o potencial das casas e o acervo para formar e aproximar mais o público, e extrapolar os limites da capital, levando ações para os diferentes municípios do estado. “A política de cultura não pode se esgotar na promoção de evento, costume que, por anos, se cultivou no Maranhão. Temos tido a preocupação de extrapolar isso. A cultura transita pelas casas e equipamentos, pelos acervos e produtos, por agendas que contemple o mais variado público das mais diversas localidades. A cultura tem papel importante de formação e é por isso que em 2017 investiremos ainda mais na área”, destacou o governador.

Foram estabelecidas metas como intervenções na estrutura de algumas Casas, produção de projetos que contemple os diferentes pontos debatidos na reunião. "O governador apresentou as metas, que já tínhamos acordado, e agora todos os superintendentes, supervisores, gestores de todas as Casas puderem ouvir do próprio governador o que ele espera das políticas culturais e da reforma das nossas casas. Então, é um momento único e ele finalizou muito bem, dizendo que este é o ano da cultura e estamos, todos, muito felizes e motivados, o que é importante para continuar o trabalho com eficiência procurando valorizar a política cultural do Maranhão", destacou o secretário Diego Galdino.

Estiveram 23 gestores de teatros, bibliotecas, escola de música e teatro, museus e outros equipamentos culturais que puderam fazer um balanço da atuação e foi proposta uma agenda mais incisiva de atuação. Entre eles, o consenso do ineditismo do momento. "Há 25 anos sou servidora do Estado e foi a primeira vez que fomos recebidos por um governador pessoalmente, para ouvir sobre o funcionamento das Casas de Cultura e nossas sugestões", destacou Joseane Souza, diretora da Casa de Cultura Josué Montello, equipamento recém reformado pelo Governo do Estado, que está em pleno funcionamento desde o fim do último ano.

Posicionamento semelhante teve o diretor do Centro de Artes Cênicas do Maranhão (Cacem), Josimael Caldas. "Nós ficamos muito felizes porque foi a primeira vez que acontece um encontro das Casas diretamente com um governador. Ele teve oportunidade de ouvir todos os nosso anseios e proposta e agora nós sentimos mais firmeza. Cada diretor de casa está mais consciente da sua função e da necessidade de mudanças e disseminação dos valores culturais. Nós da área do teatro estamos cheios de novas ideias para os próximos anos e é uma honra muito grande fazer parte deste projeto maior", finalizou o diretor.  


Fonte: Secap                 Texto: Mariana Salgado
Fotos: Orcenil Júnior/Secap

FALTA DE ÁGUA Governador afasta Caema e Clayton Noleto assume para resolver

Clayton Noleto acompanha os serviços de reparo na adutora rompida que deixa a cidade sem água tem quatro dias
Irritado com a demora nos reparos e com as trapalhadas da Caema, o próprio governador Flávio Dino ligou para o secretário da Inraestrutura, Clayton Noleto, e ordenou que ele e sua equipe assumissem os trabalhos de conserto da adutora principal que foi rompida por uma retroescavadeira na obra de implantação da rede de esgoto no Bacuri, deixando a cidade de Imperatriz sem água tem quatro dias.

Clayton Noleto está em Imperatriz desde ontem (quarta, 18), vistoriando obras do governo do estado, e retornaria a São Luís na manhã desta quinta-feira, 19.
Acionado pelo secretário, o engenheiro-chefe da regional da Sinfra em Imperatriz, Waldegno Júnior assumiu pessoalmente as operações e rapidamente encontrou uma solução paliativa para o problema. Em doze horas de trabalho, produziu-se mais que em três dias.

No início da noite desta quinta, 19, a peça danificada havia sido retirada e providenciada a instalação de canalização provisória. A previsão é de que até as primeiras horas da madrugada desta sexta, 20, o abastecimento seria normalizado. Mas a solução do problema deve levar mais alguns dias.  

No paredão

Tornou-se quase insustentável a permanência de Denílson Santos de Freitas no cargo de gerente de Negócios da Caema em Imperatriz, após sucessivas trapalhadas na recuperação da adutora principal da rede de distribuição de água.

Tem quatro dias que a cidade está sem água nas torneiras, em razão do rompimento da adutora, causado por uma retroescavadeira que perfurava o asfalto na obra da colocação de rede de esgoto no Bacuri.



EXCLUSIVO Madeira: “Vivi momentos difíceis nesses 8 anos”



Descansando em algum lugar do Brasil ou do exterior, o ex-prefeito Sebastião Madeira parece aliviado da tarefa diária que cumpriu por oito anos. Único gestor até agora reeleito - com mais de 50% dos votos nas duas eleições – na história política da segunda cidade do Maranhão, ele revela que a renúncia “seria uma covardia”.

Na entrevista feita por email, Madeira fala de sua administração, elogia a “grandeza de gestos” do governador Flávio Dino, diz que nunca pensou em demitir sua esposa, Conceição Madeira, da Secretaria de Saúde (“aquela [pergunta] da dra. Conceição foi muito dura”), e garante que ainda não decidiu seu futuro político.

Confira abaixo a íntegra da entrevista.       

O senhor, em oito anos de mandato, foi assediado alguma vez com proposta de propinas para facilitar ou manipular algum processo licitatório?
Madeira  -  Não. Tive apenas dois presidentes [da Comissão Permanente de Licitação – CPL]. No primeiro mandato, foi o dr. Jonilson Viana. No início do segundo mandato, pediu exoneração porque a OAB não permitiu que ele continuasse acumulando a presidência da CPL e ao mesmo tempo exercesse a profissão. Então, convidei a dra. Denize Brige. O dr Jonilson aceitou o cargo de assessor jurídico. Quando os convidei tive uma conversa pessoal com cada um, nos seguintes termos: “Quero tudo absolutamente dentro da lei. Não aceitem pedido nem interferência de ninguém, nem minha. Se algum dia eu pedir a vocês algo irregular, peçam demissão mas não atendam nem a mim”. E assim foi feito. Nunca ninguém me pediu para interferir e muito menos ofereceu vantagem. Quando alguém me perguntava como era o processo, minha resposta era padrão: “Os editais de qualquer licitação estão na internet, busquem e concorram”.

Alguma vez, durante esse tempo, o senhor teve receio de ser vítima de atentado ou pensou em renunciar?
Madeira - Não para as duas perguntas. Todos são testemunhas que sempre circulei livremente pela cidade de peito aberto. Às vezes tinha alguma insatisfação ou conflito e os mais próximos diziam: “Madeira, não vai que é perigoso!”. Minha atitude era sempre de dizer que se houvesse algum lugar da cidade onde não pudesse ir, também não poderia continuar sendo prefeito. Vivi muitos momentos difíceis durante esses oito anos. Fui eleito contando com o governador Jackson Lago pra me ajudar. Três meses depois ele foi afastado do governo e fiquei tonto. Tivemos outras situações de extrema dificuldade, mas quando parecia não ter saída, uma luz se acendia. Tive ajuda do governador Jackson Lago mesmo no curto espaço de tempo em que convivemos como prefeito e governador. No início de 2011, a governadora Roseana me acudiu com R$ 5 milhões para a Saúde e fez vários convênios com o município, me ajudando bastante e, ressalte-se, que não era seu aliado. O governador Flávio Dino, nos últimos dois anos, tem tido um olhar muito especial para Imperatriz, que começou com a nomeação de Clayton Noleto para a Infraestrutura. Ajudou muito, principalmente na saúde e infraestrutura. Além de investimentos que foram direcionados diretamente para a cidade, como asfaltamento da Estrada do Arroz. Campus da Uema [agora Uemasul}, segurança, educação, etc. Também recebi ajuda de muitos deputados federais, como Davi Júnior, Francisco Escórcio, Nice lobão, Flávio Dino, Carlos Brandão, Domingos Dutra, Cleber Verde, Ribamar Alves, Rosângela Curado e André Fufuca, que ajudou a liberarrecursos para a saúde agora em dezembro.  E dos deputados estaduais João Batista, Léo Cunha, Antonio Pereira, Valeria Macedo e Marco Aurélio.
O governo federal investiu em Imperatriz nesses oito anos centenas de milhões de reais em infraestrutra (PAC Cafeteira) e habitação (Itamar Guará, Sebastião Régis, Canto da Serra e Teotônio Vilela). Portanto, embora com todas as dificuldades, nunca me passou pela cabeça abandonar a cidade com renúncia. Seria uma covardia. Seria um imenso desrespeito para com os que me elegeram duas vezes, as duas com mais de 50% dos votos.

O senhor foi muito criticado quando nomeou sua esposa, dona Conceição, para dirigir a Secretaria de Saúde. Ela enfrentou problemas com o Ministério Público, sua secretaria foi alvo de denúncias, enfrentou manifestações hostis de servidores, teve problema de saúde, enfrentou um tratamento, e mesmo assim ficou até o final do mandato. O senhor se arrependeu alguma vez de tê-la indicado para o cargo? Cogitou demiti-la?
Madeira - A dra. Conceição, médica anestesiologista e ultrasonografista, minha companheira por quarenta anos, assumiu a Secretaria de Saúde num momento de crise aguda  na gestão da secretaria,no iniciou de 2010. Por sete anos, lutou bravamente, enfrentando todo tipo de dificuldade, inclusive pessoais, e durante esse período alcançou avanços consideráveis. Triplicou o número de leitos de UTI, quase duplicou o número de leitos do Hospital Municipal Infantil (HMI), de 220 para 400, transformou a saúde mental de Imperatriz (inclusive recebendo prêmios de reconhecimento nacional, em 2015 e 2016), ampliando os CAPS, instalou residências terapêuticas, instalou o NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), SAD ( Serviço de Atendimento Domiciliar), unidade móvel de oncologia, consultório na rua, aliás o único do Maranhão, academias de saúde, novas unidades básicas de saúde, incluindo duas quase prontas, ampliou e descentralizou o SAMU, com três pólos. Implantou o SISREG (Informatização de Consultas, Exames e Cirurgias) no Três Poderes. Criou o Centrinho de Imperatriz para Correção de Fissura Labial (lábios leporino), ampliou o atendimento em todas as clínicas especializadas. Substituiu equipamentos alugados por equipamentos próprios.
E o mais importante: jamais um paciente foi recusado no hospital do município, seja qual fosse sua origem.
Quanto a questionamentos do Ministério Público, essa é uma sina da qual nenhum gestor escapa. É função dele. Aponte-me qual é o sindicato que é satisfeito com os gestores em qualquer parte do mundo? Se existir, não conheço. Nunca cogitei demiti-la. Pelo contrário, tenho o maior orgulho do que ela realizou, mesmo enfrentando por dois anos um calvário pessoal.

O que o senhor não fez e gostaria de ter feito? Voltaria atrás em alguma decisão que tomou?
Madeira - É irrelevante olhar pra trás e tentar alterar o acontecido. Tomei as decisões em cada instante analisando os prós e contras naquele exato momento. Não me arrependo de nada. Se acertei, e acho que foram muitos os acertos, ou se errei, foi sempre buscando o melhor para minha cidade e seu povo. O futuro dará seu julgamento.

O senhor apoiou o candidato Ribinha Cunha na eleição de 2016, indo contra a candidatura apoiada pelo governador Flávio Dino. Sofreu alguma represália administrativa ou política por não apoiado a candidata Rosângela Curado?
Madeira - Não. Jamais sofri qualquer represália política ou de qualquer outra ordem por parte do governador Flávio Dino. Ele sempre soube da minha posição em relação à eleição de Imperatriz. Em vez de represália, ele ajudou minha administração mesmo depois da eleição. Autorizou uma operação tapa-buracos e no dia 30 de dezembro autorizou a transferência de R$ 500 mil para a UPA do São José.
Também não sofri represálias da então governadora Roseana, quando decidi apoiar o hoje governador Flávio Dino, que disputou a eleição contra o candidato do PMDB.

O PSDB do Maranhão está rompido com o governador Flávio Dino?
Madeira - De forma alguma. O vice-governador Carlos Brandão é o presidente do PSDB estadual. Inclusive, assumindo o governo agora em janeiro, nas férias do governador Flávio Dino. A Secretaria de Desenvolvimento Social é ocupada pelo deputado Neto Evangelista. Muitos outros tucanos ocupam cargos no governo e os primeiros prefeitos que estiveram com o governador, logo após a eleição, são do PSDB.

Em 2018, o senhor é candidato a deputado federal ou a senador?
Madeira - Das perguntas que me foram feitas, essa é a única que ainda não sei a resposta. Quem tem tempo, não tem pressa. Sou do signo de capricórnio. Como é característica dos nascidos sob esse signo, paciência não me falta. Tem um ditado que diz que ‘o que mais se ganha na vida é o tempo que se perdeu em esperar’. Vou esperar.

Clayton assume defesa do governo nas redes sociais

O secretário Clayton Noleto (Infraestrutura), presidente do PCdoB de Imperatriz, é hoje um dos assessores mais próximos do governador Flávio Dino, e tem feito sua parte na defesa do governo.
Testemunha de poder das mudanças alcançadas em dois anos de mandato do primeiro governador comunista do país, Noleto puxa parte do secretariado na missão.

Tem atuado principalmente nas redes sociais, onde tem centenas de seguidores. E orientado sua militância e os quadros do partido na região tocantina a seguir seu exemplo.

No Twitter, Clayton é muito ativo. Em uma de suas últimas postagens, revela nas linhas claras algumas ações de forte impacto de sua pasta em 2017.  Diz ele: “Quem for contra o Maranhão, ajeite-se na poltrona que vem muita coisa por aí: escola digna, rodovias sendo concluídas, novas rodovias...”.

Transparência
O Ministério Público exigiu três declarações de novos assessores indicados pelos vereadores para trabalharem em seus gabinetes.

Prontamente a presidência da Câmara de Imperatriz atendeu à determinação. Só será nomeado quem apresentar as três declarações: de bens, de não ter grau de parentesco com vereadores (nepotismo cruzado) e de não ter outra função ou cargo no serviço público.

Retorno
Há consenso entre as bancadas do PDT, PCdoB e PSB na Assembleia Legislativa para que o deputado Marco Aurélio retorne à presidência da Comissão de Constituição Justiça (CCJ), a comissão mais importante do parlamento estadual.

O mandato nas comissões da Assembleia é de 1 ano. Marco Aurélio dirigiu a CCJ em 2015 – em 2016 foi Rafael Leitoa (PDT).

Caos
Que coisa feia! O ex-prefeito de Governador Edison Lobão, Evando Viana, acusado de nepotismo quando no cargo, deixou terra arrasada para Geraldo Braga (PCdoB), seu sucessor.

Parte do funcionalismo com quatro meses de salários atrasados mais 13º, ruas esburacadas, prédios públicos e escolas às traças e estradas vicinais intrafegáveis.  

‘Fantasmas” larápios
Aconteceu em Nova Gama (GO) no Réveillon. Ainda de posse de chaves que davam acesso ao interior do prédio da Prefeitura, dois ex-secretários se fantasiaram de “fantasmas”, usando lençóis para cobrir o corpo, e furtaram uma impressora. As imagens foram registradas pelas câmeras de segurança.

Na delegacia, um deles disse que os dois estavam bêbados e que queriam apenas assustar os seguranças.

Relatório da Prefeitura aponta que mais itens sumiram do prédio, além da impressora - um computador e mais uma impressora.

Não há discriminação na Assembleia, diz Marco Aurélio

Vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB) afirma que o governo do estado tem mantido um relacionamento muito positivo com o parlamento estadual, procurando responder na medida do possível todas as demandas dos deputados, incluindo os da bancada de oposição.

Segundo o parlamentar, “tem-se um governo com uma agenda de trabalho muito forte, que abrange todas as regiões do estado, automaticamente isso inclui o trabalho dos deputados, valoriza o trabalho dos deputados, que inclui também as ações dos deputados em suas bases eleitorais e contempla as reivindicações que os deputados apresentam na Assembleia”.

Ele cita seu trabalho como exemplo do interesse do governo em atender as reivindicações legislativas dos parlamentares. “Tenho conseguido uma parceria muito forte, não só através das emendas que destino e que o estado tem executado dentro da sua possibilidade, como também nas causas que levamos aos diversos secretários de estado, que têm conseguido atender nossas reivindicações”.

Marco Aurélio diz que todos os deputados têm sido tratados igualitariamente, “mas diante das dificuldades financeiras, às vezes nem todas as demandas são atendidas”. “Mas a gente percebe um tratamento digno do secretário Márcio Jerry (Comunicação e Articulação Política) e do secretario Marcelo Tavares (Casa Civil), que trata dessa articulação com a Assembleia”.

“O governo tem procurado absorver todas as necessidades que são propostas. Todas as discussões da Assembleia, todo encaminhamento que a Assembleia faz. Afinal, a Assembleia é uma voz muito importante da sociedade que consegue ecoar e consegue também pautar as discussões do governo. De modo que a Assembleia Legislativa, ela consegue dialogar diretamente com o governo”, acrescenta.

Marco Aurélio defende a pluralidade ideológica e partidária do parlamento estadual, mas ressalta que “há aqueles que preferem a linha do diálogo construtivo e aqueles que preferem uma linha mesmo da crítica, que preferem procurar um desgaste [do governo] do que ajudar com a crítica construtiva”. “Mas o certo é que a voz da assembléia é ouvida pelo governo do estado”.

Crescimento do PCdoB

O deputado destaca o crescimento do PCdoB e diz que o partido está preparado para o novo momento político pelo qual passa o estado.

“O PCdoB não só cresceu em números, mas cresceu qualitativamente. Os quadros, a militância, a identidade que o partido cria, enraizada com os municípios, sobretudo com as comunidades mais carentes do estado, através das políticas públicas que o governador Flávio Dino, que é do PCdoB, implanta no estado do Maranhão”, reforça.

Marco Aurélio aponta alguns programas do governo, como Escola Digna, Mais Bolsa Escola, Mais Asfalto e Água para Todos, como marcos dessa identidade criada com a sociedade.

“Ver a política de governo chegando à população, isso automaticamente agrega sua identidade também ao partido do governador, que é quem comanda esse trabalho no Maranhão, e o partido se fortalece não só em uma disputa de poder pelo poder, mas, sobretudo, pela maneira como se faz política. Quando o governador dizia que mudaria a maneira de fazer política no Maranhão, ele não falava da boca pra fora”, declara o deputado.

Para ele, as práticas estão sendo modificadas e há uma transição de um modelo, “mas acredito que gradativamente as eleições irão tender cada vez a uma discussão pragmática, uma discussão prática, por uma discussão da sociedade, onde os quadros devem ser cada vez mais qualificados e mais próximos da sociedade”. “De modo que o PCdoB está preparado para essa nova realidade, pra esse novo desafio da nova política do Maranhão”.               


Filiação partidária não impede contratos

Flávio Dino: análise jurídica do contrato de aluguel da casa da Funac
O governador Flávio Dino usou o Facebook para se defender do "escritório que fabrica os factóides” – na definição do secretário de Comunicação, Márcio Jerry -, em supostas irregularidades na contratação de imóvel para abrigar uma unidade da Funac em São Luís.

Dino tomou pulso da situação, o que estava faltando desde o começo quando o caso foi divulgado.

Disse que vai “analisar juridicamente a situação de o cidadão [proprietário do imóvel] ser empregado de uma empresa pública”.

O governador negou que tenha sido responsável pela nomeação do proprietário do imóvel em cargo no governo: “Friso: tal nomeação não passa por mim”.

E prometeu: “Se houver qualquer dúvida jurídica sobre isso, a lei será aplicada, como tem sido sempre no nosso governo”.

Quanto ao fato de o proprietário do imóvel ser filiado ao PCdoB - partido de Dino - o governador foi direto: “Dúvida jurídica sobre a condição do cidadão ser empregado de uma empresa pública. Não sobre filiação partidária, que obviamente não impede [contratação do imóvel]”.  

Vai, não vai
Não vai. É o que garante o vereador João Silva (PRB). Seu nome estava sendo cotado para assumir a Secretaria de Planejamento Urbano e abrir vaga na Câmara de Vereadores para o suplente, Fidélis Uchoa, também do PRB, por acaso titular da pasta, já nomeado.

Posicionamento
Vereador Carlos Hermes (PCdoB) avisando que relacionamento com governo Assis Ramos será institucional. Oposição mais forte quando matéria confrontar-se com os interesses do Município.

Contato direto
Não é por falta de visitas às suas bases que o deputado Marco Aurélio (PCdoB) vai ser cobrado em seu mandato. Nem por ausência de atenção à educação, a principal bandeira de sua campanha.
Nesta segunda, 9,  visitou São João do Paraíso, Sítio Novo e Lajeado Novo, ouvindo dos prefeitos as demandas educacionais e anunciando ações imediatas em três escolas estaduais nos respectivos municípios.

Contraponto
O Governo do Maranhão tem usado dados atualizados para contrapor-se às críticas ao sistema carcerário do estado. Entre as ações, informa a aquisição de 30 viaturas em 2016, que somam 60 em 24 presídios do interior, instalação do sistema VoIP, que torna mais célere a comunicação interna institucional entre os servidores, concurso público para 100 novos agentes penitenciários efetivos, seguido da formatura de 235 novos agentes.

Weverton Rocha comanda encontro do PDT em Imperatriz

Weverton Rocha (ao centro de camisa preta) com um grupo de vereadores de Imperatriz Pré-candidato ao Senado, o deputado federal Wev...